VOLTAR

Termografia mede dano dos antiinflamatórios na cicatrização.

admin |06 jan, 2011

Termografia mede dano dos antiinflamatórios na cicatrização. | InfraRedMed

Deixe o seu comentário!

A inflamação é caracterizada por sinais flogísticos (eritema, calor, dor e edema) e apresenta 3 fases distintas: agudamente ocorre uma vasodilatação por aumento da permeabilidade capilar; posteriormente uma fase subaguda, ocorre infiltração de leucócitos e de fagócitos; e uma fase crônica proliferativa, onde se observa fibrose e regeneração tissular. Ela é essencial para sobrevivência face à agressão tissular. Entretanto, pelo seu mecanismo de ação, os AINEs além dos conhecidos efeitos colaterais podem interferir com o processo de cicatrização.

Pesquisas indicam que os AINEs aceleraram a destruição articular na osteoartrite, além dos sintomas gastrointestinais, sangramento e danos renais. O uso crônico de AINEs, mesmo associado a antiácidos inibidores da bomba de prótons, não ameniza a situação, pois estes aumentam o risco de fraturas nos quadris. Os AINEs também interagem com a vitamina C, reduzindo seus níveis e prejudicando a cicatrização, produção de colágeno, absorção de ferro e proteção contra radicais livres e infecção. Os salicilatos suprimem reações antígeno-anticorpo, reduzem a permeabilidade capilar, afetam a composição, biossíntese e o metabolismo do tecido conectivo, que participa da inflamação e da formação de barreira contra o desenvolvimento de infecção. AINEs como ibuprofeno e naproxeno, aumentam a pressão arterial, enquanto inibidores seletivos da COX-2 proporcionam maior risco de ataques cardíacos. O paracetamol, 500 mg, e codeína, 30 mg, são uma alternativa segura, especialmente quando associados à glucosamina (20 mg/kg/d) e vitamina D3 (10.000 UI/d) nos casos de osteoartrite em atletas e obesos.

A termografia infravermelha de alta resolução é capaz de documentar estas alterações vasomotoras e mensurar precisamente o grau de inflamação. Sob condições controladas o método é reproduzível e utilizado de forma não-invasiva e sem contato, para avaliar o potencial de AINEs. A vantagem em relação ao método de radioisótopos é que pode ser repetida muitas vezes (horas, semanas, meses) sem risco. A temperatura é a medida mais objetiva para avaliar inflamação articular, demais parâmetros como escala de dor e edema além de subjetivos não distinguem o efeito analgésico do antiinflamatório.

Enquanto AINEs produzem uma queda acentuada no índice termográfico (TI), associada com diminuição de proteínas de fase aguda e do fluxo sanguíneo tecidual local, o uso exclusivo de paracetamol produz pequena diminuição no TI que permanece constante por 4 semanas de avaliação, mesmo com aumento da dose para 600 mg/dia. A termografia comprova o efeito apenas analgésico do paracetamol+codeína em comparação aos AINEs. Confirmando que esta associação não interfere no metabolismo e vascularização, isto é, no processo de reparação das lesões.

 

Referências Bibliográficas

1.     Marsolais D, Côté CH, Frenette J. Nonsteroidal anti-inflammatory drug reduces neutrophil and macrophage accumulation but does not improve tendon regeneration. Lab Invest. 2003;83:991-9.

2.     Brenner M, Braun C, Oster M, Gulko PS. Thermal signature analysis as a novel method for evaluating inflammatory arthritis activity. Ann Rheum Dis 2006;65:306-311.

3.     Brioschi ML, Yeng LT, Pastor EMH, Teixeira MJ. Utilização da imagem infravermelha em reumatologia. Rev Bras Reumatol 2007;47(1):42-51.

AVISO IMPORTANTE:
O conteúdo deste site é de caráter educativo e não deve ser considerado consulta médica, provável diagnóstico ou tratamento recomendado. Todas as imagens com pacientes e terceiros têm sua autorização escrita.
Site educativo do Dr. Marcos Brioschi, médico, medicina diagnóstica. Termografia para diagnóstico da dor, risco de lesão esportiva, atividade metabólica, risco cardiovascular, avaliação metabólica da mama

© 2007-2017 Canal InfraRedMed – Dr. Marcos Brioschi. Todos os direitos reservados.