VOLTAR

Catástrofe Nuclear & Exposição Humana à Radioatividade.

admin |21 mar, 2011

Catástrofe Nuclear & Exposição Humana à Radioatividade. | InfraRedMed

Deixe o seu comentário!

Esta imagem termográfica fornecida pelo Greenpeace mostra um contêiner emitindo calor durante transporte de material nuclear na estação ferroviária de Valognes, França. Os resíduos, muito quentes – cerca 400º C – são fundidos em blocos de vidro sólido para que não possam vazar. Cada contêiner possui 28 desses blocos de vidro, com camadas de proteção para impedir o escape de radiação gama e de nêutrons.

A exposição acidental a radiação ionizante é um risco nos dias atuais. São bem conhecidos os eventos ocorridos durante a catástrofe de Chernobyl (1986), Goiânia (1987) e agora mais recentemente em Fukushima, Japão, devido ao terremoto seguido de tsunami.

A termografia é um método não-invasivo utilizado para revelar a extensão do envolvimento cutâneo à exposição à radiação na fase subaguda. Utilizada com sucesso em vários acidentes desta natureza, veja as referências abaixo.

Um estudo descreveu o uso da termografia para avaliar lesões cutâneas em soldados expostos acidentalmente a radiação por Césio137 durante treinamento militar em um campo em Lilo (Geórgia) em 1997.

As manifestações cutâneas em conseqüência da radiação, diferente das causadas por agentes químicos tóxicos, não desenvolvem imediatamente. Podem levar de alguns dias a semanas dependendo da dose de radiação a que foi exposto, sensibilidade cutânea individual, absorção, extensão de derme acometida. O processo inflamatório na fase mais inicial não é perceptível a olho nu, porém pode ser documentado precocemente pela termografia.

Do ponto de vista anatomopatológico e médico-legal, estas queimaduras são impossíveis de serem discriminadas entre uma queimadura térmica, química ou por radiação na fase aguda. É a seqüência de eventos ao longo do tempo que as diferenciam nesta fase, de eritema até chegar à fase de fibrose cutânea. A termografia auxilia a desvendar a causa da lesão, o planejamento terapêutico e a monitorização destas lesões em pessoas expostas a altas doses de radiação. O tratamento altera de acordo com o estágio da lesão, que varia devida complexidade das manifestações clínicas, e inclui desde a aplicação de corticóides sistêmicos, inferferon gama, pentoxifilina, vitamina E e dismutase superóxido.

Na termografia as áreas acometidas ficam mais hiper-radiantes que a pele normal, correspondentes a zonas inflamatórias, que geralmente evoluem depois para manchas brancas, sem pêlos, e finalmente ulcerações, que mantém um padrão hiper-radiante ao redor da ferida. Veja a figura abaixo:

Manifestação da síndrome cutânea de radiação. Termografia do dorso (D) de uma vítima exposta a radiação delimitando processo inflamatório local (Cortesia do Prof JM Cosset, Instituto Curie, Paris)(Acidente da Geórgia, 1997).

 

Referências

AVISO IMPORTANTE:
O conteúdo deste site é de caráter educativo e não deve ser considerado consulta médica, provável diagnóstico ou tratamento recomendado. Todas as imagens com pacientes e terceiros têm sua autorização escrita.
Site educativo do Dr. Marcos Brioschi, médico, medicina diagnóstica. Termografia para diagnóstico da dor, risco de lesão esportiva, atividade metabólica, risco cardiovascular, avaliação metabólica da mama

© 2007-2017 Canal InfraRedMed – Dr. Marcos Brioschi. Todos os direitos reservados.